Descrição: C:\Users\Carlos\Desktop\Siste internet\ervaslondrina\index_arquivos\image002.jpg

Voltar ao menu principal

PAU PEREIRA

 

Descrição: http://portalesp.com.br/geral/wordpress-content/uploads/2011/11/pau-pereira-150x150.jpg

 

A pereirina é um alcalóide encontrado na casca do pau-pereira (Geissospermum vellosii), árvore da família das apocináceas. A substância, usada durante muito tempo como medicamento contra febres (inclusive as provocadas pela malária), foi isolada pela primeira vez em 1838, no Rio de Janeiro, por um farmacêutico brasileiro. O isolamento desse alcalóide, reivindicado também por pesquisadores de outros países, mostra que na primeira metade do século 19 já se faziam estudos químicos de produtos naturais no país.

A exuberante natureza brasileira era motivo de fascínio e curiosidade para viajantes e colonizadores que aqui chegaram a partir do século 16. Esses homens descreveram os habitantes, os animais, os minerais e em especial as plantas, então utilizadas como alimentos, venenos ou medicamentos. Povos sem escrita, os indígenas das terras do pau-brasil eram os portadores dos saberes sobre as plantas nativas. Muitos europeus perceberam os usos empíricos de vegetais feitos pelos ameríndios, e deixaram escritos em que relacionam as plantas (identificadas pelo nome indígena, o único então existente) e os seus usos. Não existem, porém, registros padronizados nem descrições organizadas, mas apenas a intenção de descrever o que era vislumbrado no Novo Mundo.

De início, o processo de apropriação e certificação do conhecimento sobre plantas medicinais das novas terras dominadas baseava-se na experiência dos habitantes locais quanto ao seu emprego no tratamento de certos males. Mais tarde, com os avanços da botânica e da farmacologia, a possibilidade de produção de remédios inéditos e valiosos estimulou estudos mais acurados sobre essas plantas. Elas passaram a ser classificadas, ganharam descrições e nomes científicos e foram levadas aos laboratórios para a identificação de seus componentes químicos e o estudo de suas ações sobre o organismo humano, visando à fabricação de novos medicamentos.

Uma das plantas brasileiras que passou por esse processo foi a espécie conhecida como pau-pereira (Geissospermum vellosii). Da casca dessa árvore foi extraído um alcalóide, batizado de pereirina, que durante muitas décadas foi utilizado como remédio contra febres (inclusive as da malária) e outros males. Essa descoberta – o primeiro isolamento de um alcalóide no Brasil – aconteceu em 1838, no Rio de Janeiro, na farmácia de Ezequiel Corrêa dos Santos (1801-1864).

O pau-pereira

O pau-pereira, uma árvore da família das apocináceas, é encontrado na Bahia, em Minas Gerais, no Espírito Santo e no Rio de Janeiro. Essa planta foi de início classificada no gênero Tabernaemontana pelo frei José Mariano da Conceição Velloso (1742-1811), um dos pioneiros da botânica no Brasil. Velloso a designou como Tabernaemontana laevis . Na mesma época, os farmacêuticos e botânicos espanhóis Hipólito Ruiz López (1752-1816) e Jose Antonio Pavón Y Jimenez (1754-1840), autores de Flora peruviana et chilensis , livro publicado entre 1798 e 1802, a colocaram no gênero Vallesia .

Essa última classificação foi seguida pelo alemão – radicado no Brasil – Ludwig Riedel (1790-1861), autor da parte botânica do Manual do agricultor brasileiro , lançado em 1839 pelo fazendeiro francês, também radicado no país, Carlos Augusto Taunay (1791-1867). Já o alemão Carl Friedrich Philipp von Martius (1794-1868), principal autor da Flora brasiliensis , publicada em 15 volumes entre 1840 e 1906, transferiu essa árvore para o gênero Picramnia . As características diferenciadas do vegetal, porém, levaram o médico e botânico brasileiro Francisco Freire Allemão de Cysneiros (1797-1874) a criar, em 1845, um novo gênero para abrigá-la,Geissospermum . Em homenagem ao frei Velloso, o primeiro a descrever a planta, Freire Allemão batizou a espécie como Geissospermum vellosii . Atualmente, os nomes Tabernaemontana laeve , Geissospermum laeve e Geissospermum vellosiisão considerados sinônimos científicos.

Essa árvore tem diferentes nomes populares, de-pendendo da região onde ocorre: pau-forquilha, pau-de-pente, camará-de-bilro, camará-do-mato, ca-nudo-amargoso, paratudo, quinarana, pinguaciba, pereiroá, pereiro, ubá-açú, tinguaba e chapéu-de-sol. Entre os nomes vulgares, o mais usado é pau-pereira.

A origem desse nome tem três versões. Para o médico Domingos José Freire Júnior (1843-1899), que se empenhou no estudo da febre amarela, o nome foi dado pelos europeus que exploraram o território brasileiro, devido à semelhança da árvore com a pereira. Outra versão diz que é uma homenagem ao indivíduo que descobriu a planta. Para Freire Allemão, porém, a origem é indígena: pereirana, pereiríba ou pereiora. Esses termos significam ‘casca preciosa’ e revelam que os povos ameríndios conheciam bem o valor medicinal da planta. Os nomes pau-pereira, pau-de-colher, chapéu-de-sol e paratudo ainda são usados, pela população, para designar outras plantas. O guatambu-branco ou guatambu-oliva (Aspidosperma parvifolium), por exemplo, também é chamado de pau-pereira, o que leva a confusões. Embora as constituições químicas das duas espécies sejam diferentes, o guatambu-branco é usado popularmente para o tratamento das mesmas enfermidades que o pau-pereira, e por isso é conhecido pelo mesmo nome.

A casca do pau-pereira, considerado pelo farmacêutico brasileiro Gustavo Peckolt (1861-1923) uma das 10 plantas medicinais brasileiras mais importantes, é empregada na medicina popular para tratar malária, inapetência, má digestão, tontura, prisão de ventre e febres. Sua madeira serve para a construção e para a fabricação de cabos de ferramentas. No Rio de Janeiro antigo, também eram comuns, nos botequins, garrafas de cachaça com cascas de pau-pereira. Os boêmios da cidade atribuíam à bebida propriedades revigorantes e estimulantes do apetite sexual, já descritas pelos indígenas.

Os primeiros registros científicos do uso do pau-pereira em tratamentos médicos surgiram em teses da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e na Revista Médica Fluminense. Entre outras citações, aparece a primeira prescrição, de banhos com águas obtidas a partir do cozimento das cascas do pau-pereira, do médico brasileiro Joaquim José da Silva (1791-1857), à escrava de sua irmã, que sofria de febres intermitentes. O relato menciona que a escrava foi curada no segundo dia de tratamento, resultado que estimulou o médico a continuar prescrevendo tais banhos para pacientes com febres de outras origens, erisipelas e outras doenças. Após essa observação, o mesmo tratamento começou a ser usado nos hospitais São Francisco da Penitência e São Francisco de Paula e na Santa Casa da Misericórdia. A ampla divulgação da ação terapêutica das cascas do pau-pereira não tardou a repercutir na Europa, iniciando uma ‘guerra’ pela primazia da descoberta científica da pereirina.

 

Pedido Fone: 43 3325 5103